quinta-feira, 1 de abril de 2010

De cara

Eu por ser assim, quebro a cara
eu por não ter nada, fico de cara
Estou fora de padrões
Alienado e não rejeitado
puta vida difícil, ser branco, pobre, bonito e sozinho
Eu por ser assim entendo mais da vida, pois cada dor, angustia, alegrias, decepções, realizações e desprezos
Faço dessas merdas mil óculos e lunetas microscópicas da realidade de cantos humanos, previsíveis porém dolorosos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário