quarta-feira, 30 de março de 2011

CdE

sou causa do efeito
acordei desse jeito
bem feito ao relento
sua cor lama e azada
já foi rei!
já foi leão!
agora é pedinte
e arisco
tudo que olha já é
como uma onda sonora
vinda de um mar emocional
quem disse que eu vejo?
os meus olhos ou minha alma?
pisc-loke, aprende com a luz
esquece o que conduz
com joco e sapiência
agir sempre que algo causar
ação natural até ao rezar
sendo efeito provoco o universo
ao inverso fico estático e imóvel
pausa e sustento
sustenido no vento
espero e ainda penso
se tudo é de meu consenso
nunca amarás alma rançosa
nem que ela seja bela e graciosa
viverei como uma onda
a onda profânica
da nota eterna.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Paulista


Paulista desviou de dois mendigos
E um travesti
Vive a desilusão da festa
Ernesto guerreou
Paulista planejou
Analisou e inventou
Aglomerou em teu vicio de grandeza
Vive na agonia da oscilação
Da bolsa materna
Ao útero dos eruditos
Casa dos malditos
Porto da desilusão
Sorri em mil cores para o caos
Ouvem-se clamores
De uma catraca livre
No metro que oprime
Paulista guetista
Paulista narcisista
Quanto aguentas mais?
Um furacão de tensão
E um caminhão de peão?
Faz do seu dia Gothan City
Script perfeito da superação
Persona da trama educação
Esbanja tentação
Alamedas de cones laranja
Avenidas de mijo etílico
Quero tua maçã
Quero hoje e não amanha!
Ache certo e assine o contrato
Achou errado ter saído do mato
O ato firmado
De ser civilizado
E não mais um paulista
Com seu fundo prato

A sombra do burguês
Chama-se pobreza
O teu eterno medo
A aflição do pobre
É chamado sistema
Emblema da divisão
Basta atravessar a Augusta
Ou passar pelo Capão
Coragem ou morte?
Ordem em recesso
Está nas bandeiras de sua gente
Sexo e diamante
É a FOME
Que engole até poeta
Que esperto achou que era
Foi engolido por Santo Paulo dos fazeres
Pura tolice sua
Achar que o blasé
É estatua tua
És falsa e nua
Tua verdadeira imagem
De que conduz
Se é a massa que produz!
Reduz o meu penar
Saber que és tu também paulista
De ser guerreiro e artista.

quarta-feira, 23 de março de 2011

contos de uma sacana interiorana.

Ele estava sempre vestida com as roupas da moda, a qual não sei os nomes das marcas, mas a sua calça era larga, marcava perfeitamente a sua linda bunda, a barriga de fora com o seu piercing Alá odalisca do brejo, sua blusa curta com um belo decote mostrava as suas lindas tetas marcadas pelo sol.
Eu adorava cumprimentar ela, colocava as minhas mãos na sua cinturinha e apertava ela ao meu corpo sentindo assim as suas curvas e fazendo ela sentir o meu desejo. Nunca tive nada com ela, nem um beijo mais quente, mas ela era famosa na cidade por ter tido muito com muitos, uma verdadeira putinha.
Há muitos anos eu sentia prazer em conversar com ela mas o seu loiro cabelo cada vez mais loiro levou a sua simpatia pois com o passar do tempo o seu papo ficou mais fútil, inútil, como disse o cabelo ficou mais claro e tenho certeza que sua buceta ficou mais negra.
Estava tomando uma bebida no café da esquina na quinta com dois amigos e ele chegou e sentou-se a mesa, estávamos falando sobre um burguês da cidade que havia atropelado três pessoas, estava bêbado, uma das pessoas estava gravemente ferido no hospital, comecei a falar que aquele filho da puta tinha que ir para a cadeia, um safado daquele merecia sofrer de mil maneiras, alem do mais ele sujava a pseudo-reputação dos bêbados, somos bêbados mas não assassinos.
____ Verme burguês. Eu disse.
____ Nossa, tadinho dele. Ela disse. Ele é tão bonzinho, tenho pena dele!
____ Pena dele? Aquele filho da puta quase mata três por estar mamado e é um tadinho? Ora pois como pode ser, brancos unidos jamais serão vencidos? Que merda de puxa saco é você?
____ Como você é grosso!
____ Sim, curto e grosso!
____ Babaca mesmo você, foi um acidente ele nunca atropelaria alguém de propósito ou machucaria alguém.
____ Faria e fez né!? Só não entendo o porque de puxar o saco dele assim.
____ Não estou puxando o saco de ninguém.
Depois tarde da noite aquela conversa escrota no café ainda pulsava na minha cabeça, essa merda de burguesia se chupa toda mesmo, eles são burros, fúteis, e mentirosos e não enxergam nada disso, não vêem sua pobreza animal e banal.
Ela com certeza já havia trepado ou estava trepando com o burguês bêbado, para defende-lo daquela forma, algo que não tem defesa nem justificativa, apenas tem que assumir sou um bêbado dirigi bêbado e quase matei três pessoas bêbado, sou irresponsável, seria coisa de homem, mas me mostre um burguês “homem” que te mostro mil putas virgens.
A menina sem saber entregava o jogo, eu não puxo o saco dele, disse ela, mas na realidade sabíamos que ela não puxa mesmo, o que ela faz com o saco não é puxar, e sim fazer dele o seu picolé tropical.
Sacana mil vezes quem disser que não somos putos dessa sociedade sexual e visceral.

Lótus Negra

Japonesa meiga
Em seu ego o símbolo da bandeira
Triste pelega
Faz da riste mamadeira
Discretos atos no escuro
Nódoa profunda de seu caráter
Usa a bondade como escudo
Uma hipocrisia máster
Pula levemente de moda em moda
Escolhe sempre o centro
Não é nem um por cento foda
Achar que todos querem teu mel dentro
Suja rosa nipônica
Nega minha palavra
Pois parece uma verdade megafônica
Assusta tanto que se cala
Ignora, julga aspereza
minha licença
minha dita poesia
se todos bajulam ela
não serei do coletiva hormonal
pois insensata balela
faz do homem mero animal
jogar vaidade a carpa
harpa da ninfa Ásia
tesão que não escapa
jorra aos cantos desta pária
como podes ser negra lótus?
Como podes mentir ao horizonte
Espalhando luxuria ao alto
Contanto que és Deusa prepotente
Deixe de orgulho
E observe um instante
Que teus olhos dizem tudo
Que tu mente é evidente
Apenas ouça o seu coração
A mentira maior que acorrenta
Está em você e causa reação
Seja livre, a verdade sustenta.

quinta-feira, 17 de março de 2011

O meu conto chronique

Estava pensando qual seria o próximo texto para o blog e por um insight, epifania ou falta do que escrever mesmo resolvi escrever sobre a minha experiência, falar do passado será um recurso para enriquecer a prosa. Imaginei contar sobre o meu presente com a minha verdade, escrachada e áspera às vezes ao mesmo tempo mostrar a comédia que é essa vida, que é um grande teatro natural e espiritual.
Entre erros e acertos estou em São Paulo a seis meses, sai de Pindamonhangaba sem puto ou lugar para morar, só sabia que tinha que sair, que algo muito maior estava empurrando com os dois braços já a minha presença em Pinda, ficar não pagava a minha liberdade que sufocada quase me matou, mas cá entre estou e logo arrumei lugar para morar e trabalhar.
Nos três primeiros meses absorvi muita cultura, ao lado de casa um centro de cultura, perfeito, e em casa o Péricles e o Profeta, que com sua cultura e a troca de experiências aprendi muito.
Nessa fase abosrvi muito sobre musica, cinema e literatura, na literatura conheci Piva, grande poeta, inspirei-me na sua realidade, a qual chamo realidade do asfalto, sucumbi aos pés de Sganzerla e ouvi muito sound-system do Georg.
Infelizmente a Republica do Sobradinho da Travessa Calado ficou muda, no dia 21 de dezembro mudei para a minha casa carinhosamente chamada de Barracão, uma turma grande geralmente uns 12 na casa, depois de um mês virei residente fixo, e virei o recruta, hoje dia 16/03 após ver um filme chamado “o homem que virou suco”, esse filme fala de dois nordestinos um deles mata o patrão na frente da imprensa no dia seguinte sua cara está em todos os jornais, do outro lado um poeta de rua e musico, o fato é que os dois são idênticos e a policia acaba achando que ele é o assassino, uma narração sobre o preconceito e o estado de um migrante nordestino na cidade de São Paulo, uma metrópole faminta e opressora, em sua trajetória ele passa por subempregos , sofre humilhação, mas como é cabeça dura só arruma encrenca, quando cai em uma obra é apelidado de recruta , no final do filme ele, bom é melhor você assistir.
Vi esse filme e me vi nele, a função do filme foi bem exercida, pois senti na pele aquele drama por seu meu, que sinto na minha pele, senti com clareza as cores daquele homem.
A historia continua, a erva queima, e as mulheres sorriem e tudo num jorro só.

terça-feira, 1 de março de 2011

para os blasês que aguento nessa vida...

Manipula ação
Forma de dominação
Expressa opinião
A sua e nada mais
Impõem com opressão
Destrói a outra ação
Não disserta é reta
Dita e opera
Não espera argumento
Pois já julga falso no momento
Ignora intento
Serio mesmo
Não te entendo!
vamos ficar dopados além do tempo e esquecer de voltar para casa no firmamento, vamos ser imbecis , rezando pela graça cega do intento infeliz.

sou Profônico

A verdade é Deus, Krishna, Allá, Buda, Oxalá, Erü, Tupã, Odin, Cosmo, Universo, Luz!
Sou seu filho trabalhador, dito a minha regra, fiel a Deus, Sou Voz Ativa, Sou PROFÖNICO!

indo iu

Falo de Perto/Meu estilo é concreto/O meu papo é bem direto/Aprovando o meu verso/Capacidade do intelecto/Falo em rima forte/Arte do hip /ta tudo ruim, nóis explode/O que a ignorância não pode é ter Ibop/Esquema locke/Direto do interior/Te faço um favor/Palavra na cara/Escancaro sem pudor/E não adianta o velho por
/Sua verdade ta na ca...ra/...O seu espelho de medusa/A sua falta de verdade/Sua prepotência cultural

...

No alto som da guitarra histérica
Chamo Jasão e seu mitológico altruísmo
Para gozar em sátiros malignos
Odisseu que avisou de antemão
Corram para Calcutá
...Prendam o dragão
Transe com todas as ninfas
E volte para o seu lar

...

Putas, ruas, narcisos, bebuns
Chics, lokis, os mesmos
Ruas em caos
Ruas em devaneio
Sou eu ou o mundo anda mais doido
...São os meus pés, ou está mais difícil de andar
Sou eu o meu meio?
O meio tem eu
Eu e o mundo
Os loucos e eu

Homero lero lero

quem matou prometeu, não jurou ira aos homens
quem abriu pandora arrancou seus medos e temores
quem decifrou o pássaro leão foi um doido varrido
quem degusta Homero não morre indigesto

eu mentiroso¹

O rei do caos
Arauto das sombras
Como é chato ser careta
Seguir velhas condutas
Ser o pseudo-bonzinho
...Isso nada adianta
Pois no fundo do ser
Os pensamentos são outros
No fundo do ser
Está inerte a raiva e o ódio
Sei ferir o seu orgulho
Só para você mostrar esse lado sombrio
Tenho mais gosto disso
Do que escutar a mentira do amor

sonhadores

Dizem que os sonhadores são loucos
Sem loucura o homem não voaria
Nem deixaria pegadas na Lua
Nem telefone na palma da mão
Sem sonhadores o mundo seria em vão...
...Despreze com a mais aguda crença
Quem diz que o seu sonho não é
E seja o degustador do saber
Pois o sonho só termina ao amanhecer

minha cara

sou eu e essa minha cara de louco, o resto ainda é pouco, grito tanto que fico rouco...

incomodar, polemizar??

incomodo com minha arte, já demonstro a minha parte, em toda parte, arranco uma lasca, incomodar para mudar, incomodar para evoluir, sem demagogia e com mais ação, será minha resposta sempre irmão.

outros desabafos

É tanta hipocrisia meu bem, que esta me dando azia, para de me falar desta sua postura fria, que de tanto ouvir parece que sofro de bulimia, é tanta hipocrisia meu bem, que acho que não me convêm, andar descalço, ou subir uma escada além, pare de ser assim hipócrita meu...



é tudo mentira, manter a palavra a verdade pura é difícil, não conheço ninguém que o faz... somos hipócritas por natureza...
acho que é muito pra você... na vida meu filho não existe gloria sem sacrifício ou esforço e você não sentiu nem um copo de sacrifício e esforço ainda... não será digno de recompensa maior do que o teu mundo menor