quarta-feira, 23 de março de 2011

contos de uma sacana interiorana.

Ele estava sempre vestida com as roupas da moda, a qual não sei os nomes das marcas, mas a sua calça era larga, marcava perfeitamente a sua linda bunda, a barriga de fora com o seu piercing Alá odalisca do brejo, sua blusa curta com um belo decote mostrava as suas lindas tetas marcadas pelo sol.
Eu adorava cumprimentar ela, colocava as minhas mãos na sua cinturinha e apertava ela ao meu corpo sentindo assim as suas curvas e fazendo ela sentir o meu desejo. Nunca tive nada com ela, nem um beijo mais quente, mas ela era famosa na cidade por ter tido muito com muitos, uma verdadeira putinha.
Há muitos anos eu sentia prazer em conversar com ela mas o seu loiro cabelo cada vez mais loiro levou a sua simpatia pois com o passar do tempo o seu papo ficou mais fútil, inútil, como disse o cabelo ficou mais claro e tenho certeza que sua buceta ficou mais negra.
Estava tomando uma bebida no café da esquina na quinta com dois amigos e ele chegou e sentou-se a mesa, estávamos falando sobre um burguês da cidade que havia atropelado três pessoas, estava bêbado, uma das pessoas estava gravemente ferido no hospital, comecei a falar que aquele filho da puta tinha que ir para a cadeia, um safado daquele merecia sofrer de mil maneiras, alem do mais ele sujava a pseudo-reputação dos bêbados, somos bêbados mas não assassinos.
____ Verme burguês. Eu disse.
____ Nossa, tadinho dele. Ela disse. Ele é tão bonzinho, tenho pena dele!
____ Pena dele? Aquele filho da puta quase mata três por estar mamado e é um tadinho? Ora pois como pode ser, brancos unidos jamais serão vencidos? Que merda de puxa saco é você?
____ Como você é grosso!
____ Sim, curto e grosso!
____ Babaca mesmo você, foi um acidente ele nunca atropelaria alguém de propósito ou machucaria alguém.
____ Faria e fez né!? Só não entendo o porque de puxar o saco dele assim.
____ Não estou puxando o saco de ninguém.
Depois tarde da noite aquela conversa escrota no café ainda pulsava na minha cabeça, essa merda de burguesia se chupa toda mesmo, eles são burros, fúteis, e mentirosos e não enxergam nada disso, não vêem sua pobreza animal e banal.
Ela com certeza já havia trepado ou estava trepando com o burguês bêbado, para defende-lo daquela forma, algo que não tem defesa nem justificativa, apenas tem que assumir sou um bêbado dirigi bêbado e quase matei três pessoas bêbado, sou irresponsável, seria coisa de homem, mas me mostre um burguês “homem” que te mostro mil putas virgens.
A menina sem saber entregava o jogo, eu não puxo o saco dele, disse ela, mas na realidade sabíamos que ela não puxa mesmo, o que ela faz com o saco não é puxar, e sim fazer dele o seu picolé tropical.
Sacana mil vezes quem disser que não somos putos dessa sociedade sexual e visceral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário