quarta-feira, 30 de novembro de 2011

dança shiva

Hoje sou Shiva
Sou cinza
Sou corta cabeças
Não sou brisa
Sou tempestade
Não sou pedra
Sou montanha que joga o rio
Hoje sou gula de tudo
Sou tudo mudando nada
Hoje sou Shiva e vou dançar
Dança comigo?

damem

me alimento de raiva
quando meu corpo vai em inercia abstrata
meu pé volta
ouço as vozes dos suicidas
tão difíceis de sair
como a voz de um doce sereia
me alimento da dor
meu ar quase liquido
meu par quase vivo
de tanta dor
passo a escrever
como uma convulsão vertiginosa
e impiedosa
um lamento de um pagão crístico
a labuta de um trabalhador
achas que esbanjo?
achas que sou falso?
que o fogo que arde nos olhos do obscuro queimem suas palavras
blasfêmia não entender e opinar
sou um humilde arrogante
quero que sejas mais que essa pobre alma
quero que eleves e vejas, observe
em silêncio para viajar
além alma

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Amar além mar

Ai mar!
já não gosto mais de ti, mar.
É que eu queria-o inteiro aqui!
queria tanto...

ai mar... sabes, no amor
neste amor estranho,
doi-me a saúdade
mas doi-me mais o medo
e afogo-me nele
e hesito e fico quieta e triste

Quero tanto dar-lhe tudo!
Dar-lhe tudo mas ver o seu
sorriso
e os olhos
verdes
verdes
Ai mar! Porque me tiras os olhos dele?
Quero ve-los com os meus.

Poeta: Amarílis Felizes.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

vitio

Correndo atrás de vicio
ficaram cegos no inicio
eram loucos
eram drogados
vitimas da sua vontade
sedentos de realidade
loucos de verdade
uma capsula espacial
ou o chá do astral
a cabeça ficou grande
e o nariz acompanhou
farejando pelo escuro
para não cair desarmado