terça-feira, 31 de janeiro de 2012

sou de verdade

Sou de verdade Sofro pela arte Crio paixões por ai Invento prosa para distrai Algum tempo penso em chorar Mais a luz que irradia Faz da tristeza serventia Numa tarde de euforia Corri para você Cai na agonia De pés descalços pra te vê Sangro chão Deito a mercê De um dia esperar Esperar por você Sou da mesma cor Tempestade eu espanto Para te provar E comê-la no jantar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário