quarta-feira, 9 de maio de 2012

Hugo Cabret

Hugo – Uma linda homenagem a sétima arte.


O século vinte e um, as salas de cinema cada vez mais modernas, o conforto em primeiro lugar, uma novidade na indústria está cada vez mais popular e produzida, é 3D, tecnologia que permite uma sensação única de ampliação dos sentidos e da interatividade com a tela, através de um óculos e de baixo das luzes do projetor Hugo surge o seu século é outro por volta de década de trinta na grande Paris em sua Belle Époque, a genialidade corria solta assim como o pobre Hugo passado na tela, jovem e talentoso relojoeiro ela tenta concertar uma maquina um “autômato” para aproximar do seu passado no seu caminho ele cruza com um senhor dona da loja de brinquedos e Hugo começa a descobrir um outro passado, Hugo desvenda o passado do cinema, em especial do cinema mudo.
Hugo mostra que grandes estórias podem ser contadas com artifícios tecnológicos, mas o que sempre vai dizer se o filme é bom ou não são as palavras e o coração, sinta Hugo e emocione-se com o cinema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário