quarta-feira, 24 de outubro de 2012

R.I.P.


Continuação infinita das  possibilidades
Orquestra da ordem do caos
Vontade da potência
Decadência da vaidade
Em multilingua chamo por você
No meta mundo aonde meus sonhos vivem
Sou mero acaso de meus passos
Tortos sem compasso
Humanos conforme os atos
Profônico
Grito d’alma
Hipertexto da metarazão
Sou mero visionário
Poeta cidadão
Escravo de meus sentimentos
Boca maldita da solidão
Sou tudo que as pessoas não entendem
Mas eu forço em querer continuar ser ódio
Com as palavras da beleza
Conquisto o teu orgulho
Rest In Peace
Meu resto em pedaços gordos
Oleosos para chupar os dedos
O resto em paz
Caminho longo
Longo

Nenhum comentário:

Postar um comentário