Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2016

Imagens psicodélicas

Para Ela no nosso Circo

se eu tivesse uma lona, montava um circo
desses que passam pela cidade
iria fazer o maior espetáculo
e seria único
serei o palhaço, o mágico e o ladrão de corações
para você o ingresso é me amar
são essas coisas meu bem
essas modas antigas
aonde no circo encontrei
você sabe de magia meu bem
e eu me equilibro na vida e alem
pois sei que é assim também
que o amor nasce na gente
acontece de repente
esta certo pra você
oui é só uma coisa minha?
acontece e vai acontecer
o grande espetáculo da vida
no cartaz estará a maior magia
e nela faremos parte
os seus olhos não desgrudam dos meus
e o frio da mina barriga não passa
já escrevo torpe misturando três poemas será que só sou eu ou é você também?

Parte

Parte de tudo é desejo
Parte de mim é protesto
Discreto e incerto
Na vida de meus passos
São Paulo que me pariu
Minha pura virgem missão
De ser um puto no meio de putos
Injusta a sua ação
De nati-morta moral zodiacal
A terapia do ego metrópole
De ser irrespirável e profana
A multidão em estado profônico
o seu passo em eterno tumulto
com humilhados e ilhados
na solidão tropicalista.

De duas partes iguais. (dadaísmo)

O homem que não lavava o pé direito reclamava do seu vizinho que não lavava o pé esquerdo viviam em vigia guerra por um achar errado essa falta de assimetria ficavam putos e fulos por serem tolos fúteis. para que lavar pé se o chão é sujo?tudo nulo no pensar Matinal um comia ovo outro café brigavam sempre por não concordar e putos fulos por causa de gosto divergente começaram a misturar e bebiam por igual. um dia eles pensaram e por que não trepa somos iguais encaixamos no nosso bem estar e quietos no canto começaram coitar (aquele ato libidinoso da vontade em igual) fizeram isso inúmeras vezes e ao despertar brigaram por que a troca não foi bem feita, e chegaram a conclusão que em fudendo se encaixavam.

Retalho

Retalho lapidado de minha alma
Lapide negra em estandarte
Diz em letras escritas da lama
Viveu e morreu pela arte Escritos toscos e grotescos
Pensamentos incertos e obesos
Espreitavam na caixa dos homens loucos
Aqueles que ficaram presos Não é decente ler mentes
Mas eu as sinto e sobrevivo
Sou esponja de almas carentes
Ladrão de pensamento abrasivo
Respiro, inspiro e analiso
O resto é balela e perda de tempo
Quando a boca fala desanimo
Quando os ouvidos ouvem animo
Caminhante, vagante vagabundo e delinquente, era eu poeta crente.